31.10.10

o vento de lisboa

ao atravessar a infante santo, debaixo do vento e da chuva, voa-me o chapéu da cabeça. em vez de, utilitariamente, lhe seguir o percurso com vista à sua possível recuperação, os meus olhos dirigem-se, imediata e automaticamente, para o grupo de pessoas paradas mais à frente, à porta de um café, na aflição de descobrir se se estão a rir de mim.

só depois procuro com os olhos o chapéu mas, vendo-o já a chegar ao passeio do outro lado da rua, decido, por medo do ridículo que seria correr atrás dele, continuar o meu caminho como se nada se tivesse passado, como se o chapéu não fosse meu. apenas para realizar, quase em simultâneo, que mais ridículo do que correr atrás de um chapéu, que nos voa da cabeça, há-de ser a imagem de alguém, a quem, depois de um chapéu lhe voar da cabeça, continua o seu imperturbável caminho sem dar o mais ligeiro sinal externo de que o chapéu lhe voou da cabeça. 

é nesse momento que os olhos dos jovens soldados e soldadas, que entretanto ficaram para trás, me queimam as costas sem piedade. mas resisto e não viro a cabeça na sua direcção. 

No comments:

Post a Comment

Note: only a member of this blog may post a comment.