25.4.09

ontem, hoje e amanhã


hoje mais do que as imagens dos cravos nas espingardas, dos soldados encarrapitados nas chaimites, ou de nós, os "populares", a apoderarem-se do encarnado da bandeira, mais do que as cantigas de denúncia, de sonho, ou de revolução, foram as lágrimas de marques júnior e o embargo na sua voz que me reasseguraram sobre a realidade do que aconteceu há 35 anos. e que foi apenas, como dizia a 'manhã clara', no seu sms comemorativo, que 1974 tinha sido o tempo "quando tudo era ainda possível".
enxutas as lágrimas com que reguei as minhas memórias mais vitais, parto para o futuro (se é que a distinção temporal da gramática tem algum sentido na vida...) que hoje passa pela tradicional manifestação da av. da liberdade.
o que amanhã se fará amanhã se verá...

22.4.09

to have or not to have

parece ser a eterna questão das mulheres: depois de termos conseguido a liberdade de ter sexo sem termos de ter filhos lutamos agora pela possibilidade de ter filhos sem termos de ter sexo.

21.4.09

20.4.09

dias (d)e anos

voltei hoje a fazer 40 anos, quatro dias depois de os ter feito, pela primeira vez, não há ainda quatro anos.

chinese for kids (versão corrigida)

se eu podia viver sem netos? podia... mas não era a mesma coisa!


nota de rodapé
a palavra "netos" denota tanto os próprios como os alheios, a mesma ausência de qualquer diferença afectiva fundamental, já experimentada na geração dos filhos-agora- pais, e prova provada da razão de quem me ensinou, há tantos anos, que as pessoas se reproduzem em grupo...