5.8.11

poema para a catarina

Hei-de levar-te filha a conhecer a neve
tu que sabes do sol e das marés
mas nunca repousaste os teus pequenos pés
na alvura que só longe e em ti houve
Tinha estado na morte e não pudera
aguentar tamanha solidão
mas depois tive a companhia do nevão
e tu hás-de vir filha com a primavera
E o deslumbrante resplendor da alegria
tua felicidade eterna à vida
já não permitirão tua partida
quando raiar fatal o novo dia
As barcas carregadas com as rosas
virão perto daquela pura voz
abandonada pelos meus longínquos avós
em lagoas profundas perigosas
Não me afecta o mínimo cuidado
sinto-me vertical sinto-me forte
embora leve em mim até à morte
a cabeça de um príncipe coitado
Naquelas madrugadas primitivas
eu segredava um secreto pranto
vizinho da alegria enquanto
pelos dois tu ias de mãos vivas
O costume da minha solidão
é ver pela janela as oliveiras
que de todas as árvores foram as primeiras
que tocaram meu jovem coração
Purificado pelo tempo estou
um tempo de feroz esquecimento
vem minha filha vem neste momento
em que eu liberto ao teu encontro vou
Recordo-me do teu cabelo de chuva
quando tu caminhavas ágil e ladina
pelos desfiladeiros da neblina
nessa distante região da uva
Minha paixão viril serena pelos ritos
deseja que na minha companhia
tu sejas imolada à alegria
na surda região alheia aos gritos
Não olhes o meu rosto devastado pela idade
a vida para mim é como se chovesse
mas se viesses seria como se me acontecesse
cantar contigo a perene mocidade
O tempo em que viesses sim seria
um tempo vertebrado um tempo inteiro
e não meras palavras arrancadas ao tinteiro
e alinhadas em fugaz caligrafia
Viesses tu que a tua vinda afastaria
todos os meus cuidados transeuntes
e para sempre alegre viveria
os meus dias infantes já distantes
A solução da solidão compartilhada
onde vejo o meu mais profundo mundo
seria a solução ampla e sem fundo
oposta sem resposta ao meu país do nada
Com a voracidade do olvido
seria só tu vires e lutares
e por mim de olhos enormes e crepusculares
serias ente querido recebido
Volta com os primeiros anjos de dezembro
num vasto laranjal eu quero amar-te
e então a tua vida há-de ser a minha arte
e o teu vulto a única coisa que relembro
O passado é mentira digo eu
e sob a árvore plena de alegria
o mínimo cuidado esmoreceu
sensível ao esplendor do meio-dia
Ao grande peso de tanto passado
com a insónia da dúvida na testa
basta a tua presença que protesta
e todo eu me sinto renovado


Madrid, 15/V/1977

Ruy Belo - in Despeço-me da terra da alegria

3 comments:

  1. não é, não é. é o título do poema - a filha do ruy belo também era catarina

    ReplyDelete
  2. lindo, sim, querida saudosa calillas, muito lindo. é um dos meus ruy belos favoritos, depois de 'Uma Árvore na Minha Vida' (in 'Toda a Terra') e de 'Relatório e Contas' (in 'Boca Bilingue'). Este último contém um verso fabuloso que é o lema cá da casa e me justifica a velha rimalhadeira:
    'És aquele que no maior número possível de palavras nada disse'.
    E contra mim a dita velha atira os dois versos que lá estão logo a seguir:
    'Comprazes-te contigo quando o próprio sol
    desce sobre o teu pátio e passa tantas mãos na pele dos rostos que tiveste'.
    Enfim, brincalhotices minhas pra esquecer o resto.
    bjs.
    brrr

    ReplyDelete

Note: only a member of this blog may post a comment.