19.6.10

altares do solo

perdi o meu para tu encontrares o teu. não terá sido em vão.

4 comments:

  1. eh gv! eh gentes! faltou por aí um post, qualquer coisa, sei lá: '18.6.10 - o dia da morte de josé saramago´.
    é, morreu O saramago. a malta por aqui está de luto e só se consola lendo-o, uma e outra vez.
    até poesia fez, que redescobrimos, esse escritor enorme. a clara diz-me que te mande, por exemplo, este "Negócio" breve:
    Quanto de mim é ouro, não se vende.
    O resto desprezado, com o ouro,
    Eu o darei a quem o ouro entende.
    brrr

    ReplyDelete
  2. 'se "prata" pretende desdourar o escritor, não, não posso estar de acordo, que saramago é ouro, ouro de lei' - comenta clara firme.
    'se é comigo a "prata", também não, que eu prata não sou nem muito menos. mas fico triste: a minha gé-gémea querida afinal não me conhece, não é (já? ainda?) o meu amole' - conclui clara triste, olhos líquidos.
    'é a vida' - digo eu, brrr, a ambas.
    brrr

    ReplyDelete
  3. que conversa de ourives...

    ReplyDelete

Note: only a member of this blog may post a comment.